Interação família-escola no processo de aprendizagem

Comunicação Escolar

Apesar de ter criado uma situação de isolamento social, a pandemia acabou aproximando a escola da família. Uma boa relação deve ser pautada por confiança, parceria e transparência, o que ficou ainda mais evidente durante o período de isolamento social. Somado a esses três fatores, entra a comunicação. 

Para além do fato do professor estar todos os dias “dentro” da casa dos alunos, a crise sanitária gerou uma demanda das escolas pelo aprimoramento das técnicas de comunicação para manter alunos e pais engajados dentro da comunidade escolar. 

Quando eficiente, o diálogo entre escola e família é fundamental para o processo de formação do educando. A boa relação entre esses dois agentes cria um ambiente que permite o bom andamento do processo de aprendizagem dos estudantes. 

“O panorama atual comprova que a escola tem um papel social que transcende o ensinar a ler e a escrever, e especialmente, que o ensino não se reduz ao ambiente escolar e sim em todos os ambientes permeados pelas relações humanas”, resume Tatiane Moraes, coordenadora do curso de Pedagogia da Estácio Ourinhos (SP), sobre o que vem sendo esse período pandêmico dentro do ambiente escolar.


Benefícios da boa relação entre escola e família

Embora a educação formal seja responsabilidade das instituições de ensino, ela só é completa quando escola e família caminham juntas. Sendo assim, as famílias precisam encontrar na equipe gestora, docentes e demais funcionários o apoio para entender como eles podem contribuir para a formação de seus filhos.

Para Tatiane Moraes, o diálogo entre escola e família é fundamental para formação integral dos estudantes. “Especialmente agora, escola, pais e alunos estão próximos e buscando o mesmo objetivo: sucesso escolar em tempos de isolamento social”, disse.

Para Marli Ben Moshe, diretora da área judaica do Colégio Renascença (SP), a boa relação entre escola e família reflete diretamente no processo de aprendizagem dos alunos. Ela explica que os alunos percebem que há conexão entre os pensamentos, a ação e a coerência em ambos os lados, o que faz toda a diferença no processo de aprendizagem. “Flui e reflete essa sintonia”, resume.

Com uma boa relação, é possível, por exemplo, orientar a família e, dependendo da faixa etária, o próprio aluno, quando aparece uma situação onde o processo de aprendizagem está sendo afetado. “Assim podemos indicar soluções possíveis para diminuir as dificuldades cognitivas dele. É importante esclarecer com a família essas questões e prevenir possíveis consequências”, explica Marli.

Criando relações

Em artigo publicado na Revista Iberoamericana de Educación, em 2008, a pesquisadora Ana Paula de Sousa lembra que a família "desenvolve um papel importante nas formas de representação do mundo exterior, pois é através dela que se dá a inserção do sujeito neste mundo e onde começa a apreensão do conjunto de determinações – processo este que lhe possibilita viver o universal de forma particular e, neste movimento, construir-se". 

Nesse sentido, a família funciona como o primeiro e mais importante agente socializador. Quando a criança vai para a escola inicia-se um processo de mudança. Segundo a pesquisa de Ana Paula de Sousa, "ela inicia a saída do aconchego do mundo familiar até então conhecido para estabelecer maiores relações na sociedade".

Por isso, é importante que a escola mantenha a família próxima, para que os pais sintam que o colégio é um ambiente seguro e acolhedor. Ao mesmo tempo, ressalta a pesquisadora em seu artigo, estimule que os pais vivenciem a vida escolar dos filhos.

Segundo Marli Ben Moshe, do Colégio Renascença, o papel dos pais é acreditar na educação que escolheram. “O ideal é que ela ‘converse’ com os valores e as práticas familiares, para não haver conflito entre a família e a escola. Mas o fundamental é compreender e respeitar o fato que diretores e professores são os profissionais adequados que estudaram e estão em constante formação e aperfeiçoamento para dividir com as famílias a responsabilidade pela educação de seus filhos”, ressaltou Marli.


A comunicação como ferramenta de aproximação

A comunicação eficiente deve ser embasada em princípios de respeito e igualdade, pois são eles que permitem que todos possam expor opiniões e sugestões.

“A utilização dos canais de comunicação digital é uma excelente estratégia para que a escola possa apoiar as famílias em soluções para o planejamento da rotina de estudos, auxílio nas dificuldades emocionais e até mesmo em orientações para o desenvolvimento das atividades escolares”, explicou a coordenadora do curso de Pedagogia da Estácio Ourinhos.

Substituir a tradicional agenda de papel por um aplicativo de comunicação digital como o ClassApp é essencial para uma boa comunicação. Por meio do aplicativo as escolas ficam mais acessíveis às famílias, que podem conversar e tirar suas dúvidas de forma ágil, prática e em um ambiente privado e seguro.

Depois de implementar o ClassApp na sua escola, Andreia Rocha, mantenedora e diretora da Amazing School afirma, "Não só é prático, como ele trabalha de uma maneira muito intuitiva, então, facilita para o nosso corpo docente, para a parte de secretaria esse contato com os responsáveis." Confira no vídeo como tem sido essa experiência:


No Colégio Renascença, a abertura de canais de diálogos é uma importante ferramenta para manter uma boa relação com os pais e todos os profissionais que trabalham na escola. “Manter uma gestão participativa sólida e experiente também contribui. Ouvir, avaliar e fazer escolhas justas aprimora essas relações”, explicou Marli Ben Moshe.

“A pandemia tem nos ensinado muito. As dinâmicas e estratégias que agregaram durante esse período podem ser adotadas pelo colégio e são bem-vindas. Para exemplificar cito as reuniões remotas com pais, que atraíram um número maior de famílias, foram mais otimizadas e aconteceram focadas em suas pautas”, finaliza Marli.

Unidas, família e escola podem promover um aprendizado eficiente e de qualidade para os educandos, que tanto necessitam de apoio nesse período.


Leia também