Mediação de conflito na escola: 3 dicas práticas

Comunicação Escolar

É natural que em algum momento os nossos desejos e anseios sejam opostos ao das outras pessoas, e por isso, os conflitos tornam-se inerentes à vida e por consequência ao ambiente escolar. Porém, o estímulo para a mediação de conflito na escola vai muito além do objetivo de resolver um problema, pois essa é uma grande oportunidade para que os alunos se desenvolvam emocionalmente. E não são só eles saem ganhando quando há este estímulo, mas a escola também. Uma vez que o relacionamento com as famílias se fortalece quando ocorrem resoluções bem sucedidas.

Para ajudar você nessa importante e desafiadora tarefa, vamos compartilhar 3 dicas práticas para a resolução de conflitos, baseadas na metodologia desenvolvida por Aline Basso, especialista em resolução de conflitos e treinadora de pais e alunos.

Pouco tempo para ler?
Cadastre-se e acesse as dicas em vídeo.

1- Comunicação

Tanto o conflito quanto a sua mediação são permeados pela comunicação, que pode ser a causa das tensões ou o meio para a sua resolução. Pensando no ambiente da escola, é muito importante levar em consideração as particularidades dos dois públicos que ela atende para que a comunicação seja satisfatória.

Para os alunos é importante criar espaços de aprendizagem, como rodas de conversa, para que eles aprendam a se posicionar e expressar o que pensam. No Colégio Ellos, rodas de conversa são promovidas pelo menos uma vez ao mês e são mediadas por uma psicóloga. Nelas, os alunos têm a possibilidade de falar sobre situações de conflito, o que está incomodando na sala de aula ou na família, sobre bullying, separação de pais e também sobre curiosidades sexuais. Para Walkiria, diretora e coordenadora do colégio, "é muito válido e positivo a criança saber tomar posição sobre algo ou defender aquilo que ela acredita respeitando o professor ou ao superior".

O cenário é bem diferente quando pensamos no outro público que a escola atende: os pais. Apesar de pagarem as mensalidades, não são eles que estão em contato com a escola diariamente. E mesmo em tempos de pandemia, o maior contato continua sendo com os alunos. Por isso, é muito importante ter um canal de comunicação que propicie um bom relacionamento com os pais. Escolha um canal que tenha uma boa taxa de leitura, que facilite o acesso dos pais a escola e que seja simples de usar, pois assim eles vão se sentir confortáveis para conversar com a escola e com isso o relacionamento vai ser fortalecido. 

A quarentena também evidenciou que quando a escola não é a protagonista da sua comunicação, os resultados podem ser catastróficos. Uma comunicação paralela, em que os pais se comunicam entre si sem a participação da escola, gera dúvidas e desconfianças, o que pode ocasionar tensões e em muitos casos, resultar na evasão de alunos.

Ter um canal de comunicação eficiente e seguro na sua escola é mais simples do que parece: Conheça o ClassApp.


2- Conexão 

É por meio da conexão que nós geramos e mantemos relacionamentos. Paralelamente, esse conceito evoca o senso de pertencimento. Para Aline, "o ser humano, para se sentir bem, realizado e pleno, tem que sentir que pertence àquele ambiente, àquela família, àquela comunidade”. É esse senso que torna os clientes defensores e fiéis a instituição e consequentemente mais dispostos a solucionar conflitos quando eles acontecem.


E como gerar essa conexão?

Criando espaços e mostrando para os alunos, para as famílias, para os professores e  demais colaboradores que todos pertencem a comunidade escolar. Para isso é preciso dizer o óbvio: o quanto o outro é importante. A escuta também é fundamental para gerar conexão, pois, se você não estiver disposto a ouvir o outro, você não consegue se conectar de fato com ele. Por isso, crie oportunidades para que todos possam falar, mas também serem ouvidos.

No Colégio Imperatriz Leopoldina, os alunos exercitam a mediação de conflito por meio do programa de desenvolvimento das habilidades emocionais. Nele, além da conexão, são trabalhados outros dois pilares: co-regulação e ação. Para Ruth, orientadora educacional, "ao resolver um conflito é necessário estar presente no diálogo e para tanto, propomos ouvir o outro de forma respeitosa."

Para Cláudia, coordenadora pedagógica do Colégio Acadêmico, a conexão é a primeira etapa para alcançar a resolução do conflito, pois, somente nos conectando com outro é possível entender o que originou a situação. "Estimulamos nossos alunos a buscarem a origem desse conflito, analisar a situação e propor uma solução. Em tempos de pandemia, fazemos isso virtualmente também", destaca a coordenadora.

É importante também que a escola fomente essa conexão com as famílias, chamando elas para participarem e estarem mais próximas. Com a rotina cada vez mais corrida é compreensível que elas não engajem com ações que demandam muito do seu tempo, por isso, maneiras mais simples como o envio de uma enquete interativa pelo ClassApp é uma boa solução para manter as famílias conectadas com a escola.

Ainda não é cliente ClassApp? Tenha em sua escola!



3- Coragem

A coragem é um elemento fundamental na mediação de conflitos na escola. Por termos uma construção social em que o conflito é visto como algo negativo, nosso primeiro instinto é evitar essas situações e ainda postergar a sua resolução. Para mudarmos essa realidade é preciso construir boas referências e experiências. Walkiria conta que em 35 anos de escola já tiveram muitas situações de conflito e acredita que "o conflito às vezes tem o papel de nos tirar da zona de conforto e  de nos mobilizar para a ação" e conclui que sempre busca passar essa visão para a sua equipe.

Para Aline, a coragem não é a ausência do medo e sim a decisão de agir, mesmo quando ele existe, assumindo a responsabilidade do que precisa ser feito.

Para Ruth, a forma de atuar,  vendo os conflitos como uma oportunidade para promover a autonomia e o reconhecimento de si, produz sujeitos protagonistas, encorajados e empoderados. De acordo com a orientadora, "nesse modelo, os alunos sentem-se pertencentes, pois tem voz ativa."

Por isso, a coragem é uma característica importante a ser desenvolvida por todos que desejam estar aptos a resolver conflitos.

Apesar dos muitos desafios, a mediação de conflito pode ser uma grande aliada da escola no desenvolvimento emocional dos alunos e para a fidelização das famílias. E como vimos, essas três dicas práticas podem contribuir para que essa tarefa seja mais leve para todos. Conte para nós, quais destas dicas você vai usar na sua instituição?

Leia também

Receba artigos e dicas gratuitamente

Thank you! Your submission has been received!

Oops! Something went wrong while submitting the form

ClassApp
ClassApp Disponível no Google PlayClassApp Disponível na App Store
Nosso FacebookNosso InstagramNosso YouTubeNosso WhatsApp
Confira um Case de Sucesso ClassApp