Tempos de crise na escola: a comunicação pode fazer toda a diferença

Cases de Sucesso

Na última quarta-feira (11/03), o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus declarou estado de emergência em decorrência da nova doença. Com a grande quantidade de informações circuladas pelos meios de comunicação e pelas redes sociais, a preocupação em relação a disseminação do vírus tomou conta de grande parte da população. Essa frenesi atinge de forma ainda mais intensa as famílias que, naturalmente, ficam inseguras quanto à possibilidade de seus filhos contraírem a doença na escola - ambiente onde as crianças passam boa parte do dia e que os pais não conseguem acompanhar tão de perto.  

No início algumas autoridades, como a Sociedade Brasileira de Infectologia, pensaram que não seriam necessárias medidas mais drásticas, como a suspensão das aulas, por exemplo, uma vez que ainda não havia sido registrado nenhum caso de transmissão comunitária (quando o número de casos aumenta exponencialmente e perdemos a capacidade de identificar a fonte ou pessoa transmissora). Infelizmente esse cenário mudou rapidamente e o fechamento das escolas tornou-se uma das medidas para evitar o contágio do vírus. Diante desse contexto,a rotina das escolas e das famílias mudou completamente.‍

 

Desenvolvendo soluções 

Em um cenário onde a velocidade e veracidade das informações são igualmente importantes para trazer alinhamento e serenidade, todo cuidado é necessário para evitar o surgimento e o compartilhamento das fake news. Aliás, vale dizer que esse cuidado com a comunicação pode, de fato, contribuir com o controle da expansão e a diminuição dos casos da doença.

Vale dizer também que a escola, enquanto referência e importante agente da sociedade, tem como desafio ajudar a conscientizar sua comunidade atuando, assim, de forma direta e responsável no combate à doença. 

Desta forma, além de seguir todas as recomendações do Governo, ela precisa olhar para as famílias como parceiras nessa jornada. Um dos caminhos, neste sentido, é deixar a comunicação o mais transparente possível, visando transmitir segurança para pais, alunos e colaboradores. Isso pode se dar de várias maneiras, dentre elas, expor, de forma clara, quais são as medidas que vêm sendo adotadas por ela, até aquele momento, para evitar a transmissão.

Neste ponto, é importante estar atento para a dinâmica do processo de comunicação em tempos de pandemia: como as informações, orientações e medidas podem mudar ao longo de um único dia, a escola deve se preparar para seguir o mesmo ritmo de atualização.  Ou seja, manter toda sua comunidade informada constantemente com dados atualizados e checados em um fluxo constante. 

Para ser mais eficiente e garantir que as famílias estão acompanhando tudo que a escola informa, é fundamental centralizar todos os envios em um único veículo de comunicação oficial. Isso trará maior engajamento e segurança para as famílias. Para garantir a leitura dos pais dos comunicados escolares confira algumas dicas aqui.

Na outra ponta, os pais e responsáveis também devem manter a escola atualizada sobre a saúde do aluno e de familiares próximos. Já sabendo que esse processo de comunicação é complexo, a escola deve ser protagonista em coletar e compartilhar essas informações com toda comunidade escolar. Assim, mais uma vez, se faz essencial ter um canal fácil e claro para os pais se comunicarem com a escola. 

Case de Sucesso

Conversamos com duas escolas para saber como estão fazendo essa gestão de crise de forma excepcional e colocando em prática de forma assertiva sua comunicação com a comunidade escolar. 

O primeiro contato foi com o Marcos Vieira, Diretor do Colégio Evangélico Pequeno Príncipe, de Silva Jardim (RJ), que compartilhou sua mentalidade e suas estratégias para passar por essa fase de maneira tranquila e, por que não, fortalecida. 

O meio oficial de comunicação da escola é o ClassApp - aplicativo que, por lá, conta com 99% de adesão dos pais. Através do app, vem sendo compartilhado, em tempo real, algumas das ações que o Colégio tem tomado, como essa que, por exemplo, trouxe uma imagem com dicas oficiais da prefeitura da cidade, sobre como se prevenir.

O outro caso de destaque é da Escola Acquarella Mater, de São Paulo Capital. Além do posicionamento oficial da instituição sobre as medidas que estão tomando, a(o)s professora(o)s também estão atuando ativamente para comunicar e tranquilizar as famílias nesse momento de alerta.

Também pelo ClassApp, eles compartilham diariamente as atividades que estão sendo feitas com os alunos. Para o Colégio, tão importante quanto estar informado e informar os pais com qualidade e velocidade, é educar e conscientizar os alunos. 

Abaixo, segue um print de exemplo, da mensagem enviada pelas professoras Milcka e Cleide para a turma do primeiro ano do ensino fundamental. Através de fotos, elas também compartilharam os materiais com os pais.


Como consequência, os pais comentaram a ação das professoras e da Escola de forma muito positiva.


O alinhamento entre a instituição, os alunos e a família em momentos de crise é essencial para estreitar laços de confiança e trazer tranquilidade para todos os envolvidos. Assim, garantir que os pais e os alunos recebem informações de forma rápida e eficiente, ao mesmo tempo, que possam entrar em contato com a escola para tirar dúvidas e enviar comunicados é a melhor fórmula para evitar a repercussão de burburinhos, fake news e alardes demasiados.

Esse é também um caminho eficiente para que a instituição se alinhe com sua comunidade de forma transparente e assertiva, deixando sua marca ainda mais forte.
Para auxiliar a escola nos desafios do ensino híbrido e também da fidelização de pais nós disponibilizamos um e-book, com passo a passo de como utilizar a agenda digital para fortalecer as relações nesse momento:

Leia também