Gestão de crise: aprenda com Startups!

Gestão de crise: aprenda duas estratégias simples com as Startups

Comunicação Escolar

Crises econômicas, de segurança e até mesmo sanitárias, como a que estamos vivendo, fazem parte da história da Humanidade. Por isso, desde que o mundo é mundo, o ser humano enfrenta momentos desafiadores ao longo da sua vida. Nesse sentido, conhecer estratégias para lidar com problemas é essencial para quem quer minimizar os seus impactos e até mesmo aproveitar as oportunidades escondidas nas situações difíceis.

As startups são um bom exemplo disso, afinal são empresas conhecidas por encontrarem soluções rápidas mesmo em meio a incertezas e cenários desfavoráveis. Justamente por essas características, muitas estratégias de gestão de crise fazem parte do cotidiano e da cultura dessas companhias. Então, por que não aprender como elas lidam de forma simples e eficaz com os problemas que enfrentam? Essas estratégias podem inspirar você a driblar os desafios da sua escola! Confira:


Inteligência Positiva: foco na solução, não no problema

O termo Inteligência Positiva foi desenvolvido por Shirzad Chamine, professor de administração em Stanford e Yale e consultor de muitas das 500 maiores empresas dos Estados Unidos, segundo rank da revista Fortune. Segundo Chamine, apenas 20% das equipes e pessoas alcançam seu pleno potencial e isso acontece pois passamos a maior parte do tempo com uma mentalidade inimiga focada na culpa, no estresse e ansiedade.

Em seu livro, Inteligência Positiva, Shirzad conta a história de Frank, CEO de uma empresa de capital aberto, que entrou em desespero quando viu as ações perderem seu valor durante a recessão de 2008. Frank estava exausto. Ele e sua equipe vinham trabalhando sem parar para tentar mudar o rumo das coisas mas sem muito sucesso. Por isso, foram em busca de uma nova abordagem.

Ao serem apresentados ao conceito da Inteligência Positiva, todos se mostraram céticos. Afinal, como algo tão simples, uma pergunta antes de iniciar as reuniões, poderia tirá-los daquela situação tão complicada?

Segundo a teoria, todos os dias, eles deveriam se questionar: "O que nós precisamos fazer para que possamos dizer que a crise atual foi a melhor coisa que poderia ter acontecido com a empresa?"

A pergunta é apenas um estímulo para lembrar a equipe de focar na solução e não no problema. Curiosamente, essa abordagem também é um dos principais traços culturais das Startups: sempre abordar os desafios do ponto de vista da solução, com uma mentalidade positiva que propicia a curiosidade e a criatividade.

Utilizando essa metodologia a empresa de Frank, em apenas um ano e meio, transformou o fracasso em uma grande oportunidade, dobrando sua proposição de valor original. Com relação às Startups, podemos citar algumas que surgiram e cresceram rapidamente em meio a crise de 2008 como a Uber, Spotify e Airbnb.

E na sua escola, você e sua equipe passam mais tempo com uma mentalidade focada nos problemas ou determinados em encontrar as soluções? Quem sabe não é hora de rever isso e, se preciso, mudar de estratégia de gestão de crise? 

Errar rápido - e corrigir mais rápido ainda

Michel Eberhardt, empreendedor, fundador da 2be Live e um dos cofundadores do IFood, em sua palestra no evento Conecta Ex, reforçou a importância e a urgência das escolas inovarem diante das mudanças no mercado e o aumento da concorrência. Michel acredita que a cultura e modo de trabalho das Startups podem contribuir para o sucesso das instituições de ensino nessa nova economia.

Uma das metodologias utilizadas pelas Startups e que ele acredita que as escolas também possam utilizar é a Quick Fail, ou seja, o fracasso rápido. "A metodologia consiste em testar coisas novas sempre e em grupos fechados para conseguir mensurar de forma rápida se funciona - e, funcionando, levar para outras áreas da escola," explica Michel. Segundo ele, se a escola tentar aplicar a inovação com toda a equipe, e em todas as áreas, vai encontrar muita resistência. Afinal, todo mundo tem medo de mudanças. Por isso, o executivo sugere que os testes sejam realizados em grupos pequenos e com pessoas que estejam mais abertas ao novo.

Gostou das dicas? Então, gestor, inspire-se na filosofia de inovação e agilidade das Startups para dar a volta por cima e resolver os problemas na sua escola. Essas duas estratégias de gestão de crise, incrivelmente simples, podem ser aplicadas na sua instituição e gerar ótimos aprendizados e resultados. Mas, além delas, há muitas outras. Para te ajudar a conhecê-las, reunimos, em um material exclusivo, experiências de escolas que estão superando a crise e encontrando oportunidades de melhoria. Clique aqui para conferir.


Gestão de crise: indicação de leitura complementar

Leia também